Sexta-feira, 25 de Março de 2011

Súplica

Terceira, Açores - Foto de João Costa

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,

E que nele posso navegar sem rumo,

Não respondas

Às urgentes perguntas

Que te fiz.

Deixa-me ser feliz

Assim,

Já tão longe de ti como de mim.

 

Perde-se a vida a desejá-la tanto.

Só soubemos sofrer, enquanto

O nosso amor

Durou.

Mas o tempo passou,

Há calmaria...

Não perturbes a paz que me foi dada.

Ouvir de novo a tua voz seria

Matar a sede com água salgada.

 

(Poema de Miguel Torga)

 

Catálogo de vôos: ,
Palavra de Joanina às 16:25

link do post | bote palavra | ver palavra botada (2) | favorito
|
Sábado, 11 de Dezembro de 2010

Não venhas sentar-te à minha frente, nem a meu lado

Não venhas sentar-te à minha frente, nem a meu lado;
Não venhas falar, nem sorrir.
Estou cansado de tudo, estou cansado
E quero só dormir.

Dormir até acordado, sonhando
Ou até sem sonhar,
Mas envolto num vago abandono brando
A não ter que pensar.

Nunca soube querer, nunca soube sentir, até
Pensar não foi certo em mim.
Deitei fora entre ortigas o que era a minha fé,
Escrevi numa página em branco, «Fim».

As princesas incógnitas ficaram desconhecidas,
Os tronos prometidos não tiveram carpinteiro
Acumulei em mim um milhão difuso de vidas,
Mas nunca encontrei parceiro.

Por isso, se vieres, não te sentes a meu lado, nem fales,
Só quero dormir, uma morte que seja
Uma coisa que me não rale nem com que tu te rales –
Que ninguém deseja nem não deseja.

Pus o meu Deus no prego. Embrulhei em papel pardo
As esperanças e ambições que tive,
E hoje sou apenas um suicídio tardo,
Um desejo de dormir que ainda vive.

Mas dormir a valer, sem dignificação nenhuma,
Como um barco abandonado,
Que naufraga sozinho entre as trevas e a bruma
Sem se lhe saber o passado.

E o comandante do navio que segue deveras
Entrevê na distância do mar
O fim do último representante das galeras,
Que não sabia nadar.


Fernando Pessoa

  

     Mulher de Cabelo Amarelo - Pablo Picasso (foto retirada da net)

 

 

Catálogo de vôos: , ,
Palavra de Joanina às 04:30

link do post | bote palavra | ver palavra botada (1) | favorito
|
Domingo, 14 de Novembro de 2010

Será? (que sabes que hoje é Domingo)

Será que ainda me resta tempo contigo,
ou já te levam balas de um qualquer inimigo.
Será que soube dar-te tudo o que querias,
ou deixei-me morrer lento, no lento morrer dos dias.
Será que fiz tudo que podia fazer,
ou fui mais um cobarde, não quis ver sofrer.
Será que lá longe ainda o céu é azul,
ou já o negro cinzento confunde Norte com Sul.
Será que a tua pele ainda é macia,
ou é a mão que me treme, sem ardor nem magia.
será que ainda te posso valer,
ou já a noite descobre a dor que encobre o prazer.
Será que é de febre este fogo,
este grito cruel que da lebre faz lobo.
Será que amanhã ainda existe para ti,
ou ao ver-te nos olhos te beijei e morri.
Será que lá fora os carros passam ainda,
ou as estrelas caíram e qualquer sorte é bem-vinda.
Será que a cidade ainda está como dantes
ou cantam fantasmas e bailam gigantes.
Será que o sol se põe do lado do mar,
ou a luz que me agarra é sombra de luar.
Será que as casas cantam e as pedras do chão,
ou calou-se a montanha, rendeu-se o vulcão.

Será que sabes que hoje é Domingo,
ou os dias não passam, são anjos caindo.
Será que me consegues ouvir
ou é tempo que pedes quando tentas sorrir.
Será que sabes que te trago na voz,
que o teu mundo é o meu mundo e foi feito por nós.
Será que te lembras da cor do olhar
quando juntos a noite não quer acabar.
Será que sentes esta mão que te agarra
que te prende com a força do mar contra a barra.
Será que consegues ouvir-me dizer
que te amo tanto quanto noutro dia qualquer.

Eu sei que tu estarás sempre por mim
Não há noite sem dia, nem dia sem fim.
Eu sei que me queres, e me amas também
me desejas agora como nunca ninguém.
Não partas então, não me deixes sozinho
Vou beijar o teu chão e chorar o caminho.
Será,
Será,
Será!

 

Pedro Abrunhosa (para ver o video clique aqui)

 

Catálogo de vôos: , ,
Palavra de Joanina às 14:56

link do post | bote palavra | favorito
|
Sexta-feira, 31 de Julho de 2009

Anda, Luísa!!!

Luísa sobe,

sobe a calçada,

sobe e não pode

que vai cansada.

Sobe, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe

sobe a calçada.

Saiu de casa

de madrugada;

regressa a casa

é já noite fechada.

Na mão grosseira,

de pele queimada,

leva a lancheira

desengonçada.

Anda, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada

(e por aí fora... para ler o resto do poema, clique aqui)

Calçada de Carriche (excerto), António Gedeão in Poesias Completas

 

Pelo ritmo que a minha vida anda a tomar nestes últimos tempos, começo a desconfiar se afinal o meu nome não será mas é, Luísa!!

Jo

Hoje sinto-me: Uma Luísa
Catálogo de vôos: , ,
Palavra de Joanina às 15:34

link do post | bote palavra | ver palavra botada (13) | favorito
|
Segunda-feira, 27 de Julho de 2009

A Minha Saudade Tem o Mar Aprisionado

Monte Brasil, Ilha Terceira, Açores - Foto de João Costa

A minha saudade tem o mar aprisionado
na sua teia de datas e lugares.
É uma matéria vibrátil e nostálgica
que não consigo tocar sem receio,
porque queima os dedos,
porque fere os lábios,
porque dilacera os olhos.
E não me venham dizer que é inocente,
passiva e benigna porque não posso acreditar.
A minha saudade tem mulheres
agarradas ao pescoço dos que partem,
crianças a brincarem nos passeios,
amantes ocultando-se nas sebes,
soldados execrando guerras.
Pode ser uma casa ou uma rede
das que não prendem pássaros nem peixes,
das que têm malhas largas
para deixar passar o vento e a pressa
das ondas no corpo da areia.
Seria hipócrita se dissesse
que esta saudade não me vem à boca
com o sabor a fogo das coisas incumpridas.
Imagino-a distante e extinta, e contudo
cresce em mim como um distúrbio da paixão.

José Jorge Letria, in
"A Metade Iluminada e Outros Poemas"

 

Catálogo de vôos: , , , ,
Palavra de Joanina às 04:09

link do post | bote palavra | ver palavra botada (9) | favorito
|

Joanina (sem agá), sou eu!

Carimbo de vôo:

O Blog da Joanina
Selo

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

Horas de vôo:

Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Vôos recentes:

Súplica

Não venhas sentar-te à mi...

Será? (que sabes que hoje...

Anda, Luísa!!!

A Minha Saudade Tem o Mar...

Confiança cega

Ser Feliz... Apesar de tu...

A Concha

O que amamos está sempre ...

A Ilha do Meu Fado

Vôos passados:

Dezembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Catálogo de vôos

todas as tags

Pesquisa:

 

Altos vôos:

SER FELIZ... APESAR DE TU...

O CULTIVO DAS ROSAS

Eternamente

Carta à minha tia Bió

Carta para a minha Mina K...

O POETA E O GATO

És isto.. E muito mais!

À «Joanina» dos Açores

Oh minhas meninas, Helloo...

Para onde vôo:

Madrinha de vôo:

Azoriana Blog
Azoriana Blog

Carta de vôos:

Vôos contados:

inteliture.com
search engine optimization
Creative Commons License
O Blog da Joanina está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
blogs SAPO