Sábado, 13 de Março de 2010

Arroz Doce

Quando me apetece algo doce, ou tenho de fazer uma sobremesa às pressas, Arroz Doce é geralmente o meu recurso de excelência. Arroz, leite, ovos, açucar, manteiga e canela há sempre na minha despensa. Para já não falar que acerta sempre, é uma receitinha bem portuguesa e um dos meus doces preferidos. Aqui fica a sugestão para o pecado semanal da gula .

 

 

Arroz Doce

 

250 gr de arroz, de preferência Carolino, lavado
400 ml de água
750 ml de leite, quente
300 gr de açucar
2 colheres de sopa de manteiga
6 gemas
1 pau de canela
1 colher de chá de essência de baunilha (facultativo)
Casca de limão, a gosto
1 pitada de sal
Canela para polvilhar

Num tacho, leve a água ao lume com uma pitada de sal. Quando ferver, junte o arroz, deixe de novo levantar fervura, mexa com um garfo e baixe o lume para o mínimo. Coze tapado aproximadamente 12 minutos, ou até a água evaporar quase por completo. Retire do lume e deixe repousar tapado, cerca de 30 minutos.
Passado este tempo, mexa o arroz novamente com um garfo para que fique soltinho, e junte-lhe o leite quente, o pau de canela, a essência de baunilha e a casca de limão. Leve novamente ao lume, que deve estar no mínimo, e vá mexendo de vez em quando para que não pegue. Quando ferver novamente, junte o açucar, e deixe ferver, mexendo sempre até que se apresente bem cremoso. Retire do lume.
À parte bata as gemas, com um pouco do líquido do arroz e junte-as em fio ao conteúdo do tacho, assim bem como a manteiga, mexendo sempre sem parar. Leve ao lume de novo por mais alguns minutos para cozer as gemas, mas sem deixar que ferva. Retire o pau de canela e a casca de limão.
Transfira para uma travessa, polvilhe de canela e deixe arrefecer. Sirva à temperatura ambiente.

Nota: Receita para 6 pessoas.
Enjoy!

Jo

 

Catálogo de vôos:
Palavra de Joanina às 16:54

link do post | bote palavra | favorito
|
4 comentários:
De Mário Rodrigues a 15 de Março de 2010 às 16:04
Um amor entre arames...

Verde era a cor predominante. Ali numa pequena várzea no leito do rio, alimentava-se enquanto passeava. Havia uma pequena cerca que dividia o campo em dois. Do outro lado, num faustoso e imponente andar, andava ele. Dorso castanho claro, barriga castanha mais escuro e as patas pretas. Pescoço curto, ar emproado e uma bela e longa barbicha. Ela deste lado mirava-o insuspeita, o que aliás ele também fazia. O branco e o beije mesclavam-se de um modo único, transformando-a numa verdadeira visão Afroditesca...
A tentação estava a tornar-se insuportável. Ela deslocando-se como se de uma pétala de flor de amendoeira se tratasse, vai até junto do rio para bebericar um pouco de água. Ele, a quem nada passava despercebido, muito menos os movimentos da "Bita", em três saltos e um pinote, se pôs junto dela, ainda que do outro lado do arame... Entre olhares e "mmeees..." suspirados, ele começa a fazer contas de aritmética para calcular o ângulo da corrida para saltar a coisa... Dá uma corrida atrás e...
"HHEEE..., ANDA CÁ SEU CHIBO D'UM CABRÃO..."
"Raios partam a velha que anda sempre a meter o nariz onde não deve...", sussurra ele com os seus botões... "Deixa lá que eu já te digo..." dá mais uma corrida atrás e num ápice, salta o arame para junto da sua amada "Bita"...
Pois claro! Está visto o que ia dar!
Duas pedradas e um cajado a voar ditaram a desdita... Se ao menos não fosse aquela maldita mania de marrar em tudo o que era muro... nesta altura teria uns belos cornos, que com sorte, se enrodilhavam no cajado, adiando desta feita tal desventura.
Ali jaz o "MOCHO" aos pés da "Bita".

-"HHAAA... MOCHO D'UM CABRÃO, QUE ME DÁS CABO DA VIDA..."

Tudo era da mais alta qualidade. Nem admitia que fosse de outro modo. As tigelas são de um barro cinzento-escuro, feitas lá para o lado do Lameiro. Os pimentos, tiveram de esperar umas tardes de verão até que um vermelho vivo se apoderasse deles. Só depois foram colhidos e preparado o pimentão. O louro. Bem, as folhas de louro vieram d'O Loureiro. Árvore de enorme imponência. De tal modo que o vale, as terras e a "poça" eram apelidados de "Loureiro". Os alhos tinham sido vizinhos dos pimentos e tinham secado à sombra, só para manterem o aroma.
"Tenho pena. Realmente tenho muita pena, mas as manhãs a lambuzar-se com as bolotas e as tardes de "sorna" à sombra dos sobreiros... enfim, a banha era de uma textura, de um aroma, de uma fineza suprema... ". Morangueiro. Não, não é americano! É morangueiro...o perfume não deixa enganar... Baco emocionava-se quando sorvia tal néctar. Na semana passada, com todos estes meus amigos, em doses rigorosamente delicadas, fui colocado nas tigelas. O sal e o tomilho estiveram mesmo para não entrar. Sempre cheios de humidades... mas depois de os inspeccionar, acedi. Tudo tinha de ser da mais alta qualidade. Depois e só depois fomos completamente cobertos com o vinho, o morangueiro.
Ontem, foi dia de cozer o pão de centeio. Que cheirinho se espalhava pela aldeia...hhuumm! Depois de cozer o pão, o Sr. José, que era uma jóia de pessoa; aliás não sei como consegue aturar aquela "penca" daquela velha pastora, deu mais um ligeiro calor ao forno com umas vides e uns galhos de oliveira secos e... mas que maravilha... espectáculo... extraordinário... aquele calorzinho... hhuuummm! Ficámos a repousar a beleza...Hoje, estamos de saída do forno. Nem vos conto...
Já ouvi falar num tal de "Dão", que também por cá está...

O Sr. José já chamou o pessoal. "Meninos... a chanfana está na mesa..."

© Mário Rodrigues - 2010
De Joanina a 20 de Março de 2010 às 14:57
Mário Rodrigues no seu melhor!!! Obrigada pela colaboração , amigo!! ;)
Bj da Jo
De allungamento pene a 18 de Março de 2010 às 11:38
uma receita deliciosa! Eu gosto do arroz, eprchè é leve e pode ser comido com nada!
De Joanina a 20 de Março de 2010 às 14:59
Obrigada pelo comentário. De pene por cá estamos bem... Não precisamos de allungamento ! lollll

Comentar post

Joanina (sem agá), sou eu!

Carimbo de vôo:

O Blog da Joanina
Selo

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

Horas de vôo:

Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Vôos recentes:

Caso ainda não tenham not...

Caso ainda não tenham not...

Feijoada de Frango

"Only divine order here."...

É tudo farinha do mesmo s...

Walk-n-Tone

Oráculo Chinês

Honestamente

Súplica

Um dia

Vôos passados:

Dezembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Catálogo de vôos

todas as tags

Pesquisa:

 

Altos vôos:

SER FELIZ... APESAR DE TU...

O CULTIVO DAS ROSAS

Eternamente

Carta à minha tia Bió

Carta para a minha Mina K...

O POETA E O GATO

És isto.. E muito mais!

À «Joanina» dos Açores

Oh minhas meninas, Helloo...

Para onde vôo:

Madrinha de vôo:

Azoriana Blog
Azoriana Blog

Carta de vôos:

Vôos contados:

inteliture.com
search engine optimization
Creative Commons License
O Blog da Joanina está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
blogs SAPO